14 DE ABRIL DE 2024
Fechar [x]

MILTON ALVES

03/04/2024 06:00

Serve como charada

Quem vai estar com quem nas eleições deste ano para prefeito em Tubarão? Você já se perguntou sobre essa dúvida? Eu tanto me questiono que até já estou convencido tratar-se de uma boa charada, caso alguém queira montar um bolão entre amigos. Os nomes indicados por cada um seriam escritos num papel e colocados num envelope de forma reservada, podendo ser depositados até mesmo numa urna.

Para não influenciar

O voto neste caso, é óbvio, não precisaria ser secreto. Quando falo sobre “forma reservada” é para evitar que nossas opiniões influenciem os demais concorrentes e, como critério de desempate, caso precise, poderia usar o importante detalhe sobre qual a posição que os candidatos figurarão na cédula oficial; se na vice ou como cabeça de chapa.

Lembrando 2012  

Apesar de alguns “especialistas” da internet já estarem divulgando listas e mais listas, achando que sabem de tudo, e usando, inclusive, recentes movimentos de certas autoridades para justificar suas opiniões, penso que a charada não é tão fácil de ser decifrada não. Ainda tem muito balão de ensaio e uma enorme fogueira de vaidades nesse jogo de poder, e também é preciso tirar alguns bodes da sala. Ou vão esquecer do que aconteceu em 2012? Quando um festival de trapalhadas dos coroados da centro/direita, com a conivência dos emplumados da centro/esquerda, nas figuras de PSDB e MDB, culminou com a eleição da esquerda radical, comandada por Olavio Falchetti.

O fator Olavio  

Tudo bem que Olavio, pessoalmente, em toda sua trajetória de vida, tanto política quanto social, nunca se apresentou - ou agiu - como um esquerdão tradicional, e muito menos radical, mas tendências e políticas ideológicas de assessores e mentores (sim, porque havia gente lá dentro do Paço que escancaradamente queria mandar mais que o chefe) prevaleceram na maior parte das ações da municipalidade. Algumas colocadas de forma desastrada, mas estavam lá. E as imposições só não foram maiores porque o pífio governo Dilma não ajudava, e os movimentos sociais atrelados à governança do município perderam a força.

Pouca gente sabe

Os problemas do PT no comando de Tubarão só não causaram um mal-estar maior à cidade, criando um hiato entre o Executivo e as entidades representativas da sociedade, entre elas a Câmara de Vereadores, porque o próprio prefeito, um italiano de “sangue bom”, agindo com autoridade, mas de forma humilde e conciliadora, pregador da paz e amigo de todos, desmontava com sua simplicidade e pedidos de apoio qualquer reação coletiva que pudesse se estabelecer para atrapalhar sua administração.

A dança das cadeiras 

A verdade é que Olavio e o seu PT não faziam mal ao establishment de Tubarão (sim, nós também temos o nosso por aqui). E no fundo, no fundo, a vitória de 2012 e o mandato deste time, que nunca antes havia feito parte dessa elite dominante que controla ações sociais e políticas de uma cidade, talvez tenha sido bom para servir como exemplo do que até se pode, mas muitas vezes não se deve fazer em eleições. Vamos ver se essa gente aprendeu. E outra coisa: é uma só cadeira. Montar um grupo muito grande para dançar só atrapalha a caminhada.  

  • 1 / 1
Ex-prefeito de Tubarão, Olavio Falchetti (PT)
Diário do Sul
Demand Tecnologia

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a nossa Política de Privacidade. FECHAR