16 DE JULHO DE 2024
Fechar [x]

Médico chegou a deixar Tubarão, mas voltou logo

Empresários compraram um tomógrafo para que o médico atuasse na cidade

10/07/2024 06:00|Por Redação

Natural de Urubici, o médico neurocirurgião Marcos Ghizoni chegou a Tubarão na década de 70. Em entrevista à revista DS, em 2015, ele contou que, quando veio para a Cidade Azul, vinha de um local que era uma espécie de Meca da cirurgia na época, Montevidéu (Uruguai). 

“E Tubarão tinha pouquíssimos recursos na área. Não vou dizer que foi fácil. Cheguei a sair da cidade, fui para Florianópolis. No entanto, fui procurado por pessoas, recebi até uma carta da Câmara de Vereadores”, contou.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Então comecei a refletir que talvez fosse em Tubarão que precisassem de mim, já que nos grandes centros havia vários profissionais excelentes. Hoje, de coração, me sinto um tubaronense”, afirmou na entrevista.

Em 1979, Marcos Ghizoni ingressou no Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC) e participou da formação do Centro de Neurocirurgia. Na década de 90, foi para Florianópolis em busca de melhores condições técnicas. Isso resultou na compra do primeiro aparelho de tomografia do HNSC, que foi feita por dois empresários da cidade.  

Incentivo   

A história, contada por um familiar do médico na entrevista, é que, ao deixar a cidade, os empresários Márcio Ribeiro (Luminar) e Humberto Bortoluzzi (Itagres) foram procurar Marcos Ghizoni e perguntar o que ele precisaria para retornar a Tubarão, ao que ele respondeu: “Um tomógrafo já seria um bom começo”.

Relação de amizade com pacientes é recompensa

Os atendimentos realizados pelo médico neurocirurgião Marcos Ghizoni iam além do profissionalismo. Eram criados vínculos com os pacientes. 

Em entrevista à revista DS, dr. Marcos disse criar uma relação com os pacientes. “Me torno amigo deles. Isso é um estímulo para mim”, afirmou, com naturalidade.

“Claro que quando você desenvolve ou aperfeiçoa uma técnica é muito recompensador, até pelo número de pessoas que vão ser beneficiadas. Mas eu me sinto muito mais recompensado pelos pacientes”, disse.

“Um deles, que eu tratei de hidrocefalia desde pequeno, colocou meu nome no seu primeiro filho. Só para citar um exemplo. Eu procuro fazer o melhor. Existem perdas. Eu nunca fui numa festa da escola dos meus filhos. É o preço que se paga”, contou na época. 

“Para mim, ainda falta muito a ser feito. Às vezes me sinto cansado, mas o que me assusta mais é ter uma eternidade para descansar”, concluiu.

Reconhecimento merecido por grandes feitos

Em 2013, dr. Marcos Ghizoni foi homenageado, junto do colega também médico Jayme Augusto Bertelli, na Assembleia Legislativa por suas contribuições no desenvolvimento da medicina. 

Eles foram responsáveis pela criação de uma inovadora técnica cirúrgica no campo da neurologia, que apresentou importantes resultados na recuperação do movimento das mãos em pessoas com tetraplegia. 

O procedimento foi publicado em dezenas de revistas especializadas e apresentado em conferências em diversos países, obtendo o reconhecimento dos maiores especialistas da área. O Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), de Tubarão, onde os profissionais atuavam, é uma das únicas unidades médicas no mundo onde a cirurgia é realizada.

O reconhecimento internacional, entretanto, veio com o desenvolvimento da microcirurgia do plexo braquial (conjunto de nervos localizado na região do pescoço e responsável pelo movimento dos braços e mãos). “O resultado deste trabalho é muito gratificante. Não dá para descrever a sensação de poder devolver os movimentos às pessoas”, disse Marcos Ghizoni na época.

Destaque   

Em 2015, mais um feito foi destaque nacional pelas mãos do neurocirurgião Marcos Ghizoni. Junto com uma equipe de seis profissionais, ele foi o responsável pelo procedimento que chamou atenção em todo o país. Anthony Diaz, na época com 33 anos, cantou e tocou violão durante as nove horas no centro cirúrgico.

Manter o paciente acordado foi uma decisão estratégica. “A gente decidiu deixar o paciente acordado justamente pela lesão ter uma proximidade muito grande com as áreas responsáveis pela fala e pela motricidade do paciente”, explicou.

Luto oficial

O prefeito de Tubarão, Jairo Cascaes, decretou ontem luto oficial no município por três dias, em sinal de pesar pelo falecimento do neurocirurgião Marcos Flávio Ghizoni. “Suas técnicas inovadoras ultrapassaram fronteiras, tornando Tubarão um polo da Saúde”.

Quer receber notícias de Tubarão e região? Clique aqui.
Diário do Sul
Demand Tecnologia

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a nossa Política de Privacidade. FECHAR