MENU

NOTÍCIAS


TODAS | EDIÇÃO DE HOJE | DA REDAÇÃO | DIVERSÃO | ESPORTES | GERAL | POLÍTICA | SEGURANÇA

19/04/2019, 06:00

Defesa Civil interdita Ceasa de Tubarão


 
redacao@diariodosul.com.br
Dê a sua opinião
Comentários ou sugestões
Envie esta
notícia por e-mail
 


A unidade da Central de Abastecimento do Estado de Santa Catarina (Ceasa) de Tubarão, no bairro Revoredo, uma das estruturas mais atingidas pelo vendaval de 16 de outubro de 2016, foi integralmente interditada pela Coordenadoria de Proteção e Defesa Civil nessa quinta-feira.

A interdição se deu pelo iminente risco de desabamento e colapso da estrutura da cobertura do prédio. Ainda na época do vendaval, a Defesa Civil interditou de forma parcial o local, recomendando a demolição da parte mais afetada, o que foi prontamente atendido pela gerência da unidade.

No entanto, o problema atual se refere à cobertura do local, cuja estrutura foi identificada como perigosa e com potencial risco de desabamento, o que levou à interdição total.

A partir de agora, a gerência da Ceasa de Tubarão tem 30 dias para realizar os reparos necessários e apresentar à Defesa Civil o laudo com a ART (Anotação de Responsabilidade Técnica), emitida por profissional técnico credenciado pelo Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA/SC), em que conste a eficiência do reparo realizado com a garantia de estabilidade da estrutura metálica da cobertura.

Em setembro do ano passado, a Ceasa de Tubarão passou por uma limpeza, e depois chegou a ser reformada parcialmente.

 

Limpeza foi feita em setembro passado

Em setembro do ano passado, o então presidente estadual da Ceasa, o tubaronense Glauco Gazola Zanella, disse que o problema na demora das obras era a burocracia. “A gente trabalha com recursos próprios. Mas, após a tragédia, a cidade recebeu um recuso federal para a recuperação de alguns órgãos, entre eles a Ceasa. A Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Tubarão ficou responsável por fazer o processo licitatório. Mas o processo enfrentou vários problemas burocráticos, e a coisa foi enrolando, até que o Tribunal de Contas da União (TCU) suspendeu tudo”, disse Glauco na época.

O recurso disponibilizado pela Defesa Civil seria de R$ 209.929,15. Após a licitação ser suspensa pelo TCU, Glauco disse que procurou a ADR novamente para que a própria Ceasa pudesse fazer a limpeza da unidade em Tubarão. “Houve insegurança jurídica, falaram que não tinham como dar esse parecer. Na hora, tivemos que entrar em contato com a Defesa Civil e com os bombeiros para que eles interditassem a Ceasa. Só com a interdição pudemos fazer um orçamento, de acordo com a lei de compra direta, e agora faremos a limpeza e a colocação dos telhados”, afirmou em setembro passado, quando a Ceasa passou por uma limpeza.

O valor investido na limpeza e nos novos telhados foi de R$ 41 mil.



Veja tudo sobre: ceasa, defesa civil
 


OUTRAS NOTÍCIAS



GERAL

Prefeitura avalia local de nova sede, em BN

19/04/2019, 06:00

GERAL

Jairo Cascaes será prefeito interino por 10 dias

19/04/2019, 06:00

SEGURANÇA

Casal é preso com 370 quilos de maconha

19/04/2019, 06:00

SEGURANÇA

Botijão pega fogo

19/04/2019, 06:00







MAIS LIDAS










Avenida Marcolino Martins Cabral, 1315, 6º piso Praça Shopping
Centro - Tubarão/SC - CEP 88701-105 - 48. 3631-5000
Todos os direitos reservados - JORNAL DIÁRIO DO SUL