MENU

NOTÍCIAS


TODAS | EDIÇÃO DE HOJE | DA REDAÇÃO | DIVERSÃO | ESPORTES | GERAL | POLÍTICA | SEGURANÇA

08/01/2019, 06:00

Polícia investiga morte do jornalista Mukirana


 
redacao@diariodosul.com.br
Dê a sua opinião
Comentários ou sugestões
Envie esta
notícia por e-mail
 


Créditos: Elvis Palma/DS

A Polícia Civil investiga a morte do jornalista Clóvis William dos Santos, de 44 anos, mais conhecido como Mukirana. O corpo dele foi encontrado ontem de manhã na Praia do Gi, em Laguna, com marcas de agressão. Mukirana era conhecido na cidade pelo trabalho como colunista, apresentador e dj.
Em entrevista ao DS no começo da noite de ontem, o delegado Bruno Fernandes, que investiga o homicídio, afirmou que se trata de um caso complexo e de difícil elucidação. De acordo com ele, não há testemunhas e nem foram encontradas pistas na cena do crime.

“Estamos em campo desde as 7h. É um caso bem complexo, delicado. Suspeitamos que ele tenha sido assassinado em Tubarão, e apenas deixado na praia onde o corpo foi encontrado. Trabalhamos com algumas linhas de investigação, mas ainda é precipitado afirmar qualquer coisa. Estamos apurando todas as possibilidades”, declarou o delegado.

O corpo de Mukirana foi encontrado com marcas de agressão na cabeça. De acordo com o Instituto Geral de Perícias (IGP), a causa da morte foi traumatismo craniano. Na praia, foram encontrados cabos elétricos, provavelmente usados para amarrar a vítima, que também tinha marcas nos pulsos. A suspeita é de que o corpo tenha sido jogado no mar, mas trazido de volta para a faixa de areia por conta da forte maré.

Ainda segundo o delegado Bruno Fernandes, inúmeras pessoas do círculo do jornalista foram ouvidas ao longo do dia de ontem em busca de informações que possam levar a suspeitos. No começo da noite, o carro de Mukirana, um Duster preto, foi encontrado pela Polícia Militar abandonado no Morro da Antena, no bairro Congonhas, em Tubarão.


Comoção entre colegas e admiradores de Mukirana

Mukirana atuava como comunicador em Tubarão desde os anos 90. A notícia da trágica morte do jornalista causou enorme comoção entre os colegas de imprensa e entre os que acompanhavam o trabalho dele.

Ao longo do dia, muitos usaram as redes sociais para escrever mensagens de carinho. A irreverência e o grande coração do profissional foram lembrados.

Um dos trabalhos mais marcantes do jornalista foi o programa Mukishow, no qual entrevistava pessoas comuns e famosos em festas na região. A atração foi ao ar em canais locais, como a Unisul TV. Mukirana também trabalhou na mídia impressa escrevendo colunas sobre variedades. No DS, teve um espaço diário entre 1999 e 2001.

Na tarde de ontem, a prefeitura de Tubarão emitiu uma nota de pesar.

“A prefeitura de Tubarão, através dos profissionais do Departamento de Comunicação, lamenta o precoce falecimento do comunicador Clóvis William dos Santos, o Mukirana. Figura bastante popular na área de comunicação da cidade, Mukirana atuou na rádio, TV, jornal e, ultimamente, nas mídias sociais, tendo como característica forte a irreverência, mas sempre divulgando e enaltecendo os principais eventos da cidade. Lamentamos e desejamos força aos familiares para superarem esse momento triste, especialmente sua mãe, dona Sirlei”, diz a nota.

 

Despedida

O corpo dele está sendo velado na Funerária Santa Albertina, na avenida Expedicionário José Pedro Coelho, desde a noite de ontem. O enterro está previsto para acontecer às 9h de hoje, no cemitério do bairro São Martinho.



Veja tudo sobre: homicídio
 


OUTRAS NOTÍCIAS



ESPORTES

Liga Sul: basquete é campeão

08/01/2019, 06:00

ESPORTES

Paixão pelo esporte abre portas para jovem

08/01/2019, 06:00

GERAL

Família busca ajuda para tratamento

08/01/2019, 06:00

DA REDAÇÃO

Réu é condenado a 20 anos por morte do Mukirana

08/01/2019, 06:00







MAIS LIDAS










Avenida Marcolino Martins Cabral, 1315, 6º piso Praça Shopping
Centro - Tubarão/SC - CEP 88701-105 - 48. 3631-5000
Todos os direitos reservados - JORNAL DIÁRIO DO SUL