MENU

NOTÍCIAS


TODAS | EDIÇÃO DE HOJE | DA REDAÇÃO | DIVERSÃO | ESPORTES | GERAL | POLÍTICA | SEGURANÇA

23/05/2018, 06:00

Unisul tem R$ 6,6 mi bloqueados por Justiça


Guilherme Simon 
redacao@diariodosul.com.br
Dê a sua opinião
Comentários ou sugestões
Envie esta
notícia por e-mail
 


A Justiça do Trabalho determinou o bloqueio de R$ 6,6 milhões das contas da Unisul para garantir o pagamento integral de salários atrasados na universidade. O valor é referente a duas ações liminares movidas por sindicatos de professores e funcionários, uma em Tubarão e outra em Palhoça. Ambas as decisões foram proferidas na segunda-feira.

Na ação movida pelo Sindicato dos Professores e Auxiliares de Administração Escolar de Tubarão (Sinpaaet), era solicitado o bloqueio de R$ 5 milhões, por conta do atraso das remunerações do mês de abril. No entanto, o juiz da 2ª Vara da Justiça do Trabalho, Elton Antônio de Salles Filho, decidiu pelo bloqueio de R$ 3,6 milhões, acolhendo a liminar parcialmente.

Antes do bloqueio das contas, a Unisul chegou a propor saldar as remunerações em atraso até o dia 15 de agosto, mas o Sinpaaet negou o acordo.

“Não havia como aceitar a proposta da universidade, pois estamos tratando de um direito básico, de verba alimentar, não há como esperar até agosto para receber o salário de abril. O que os trabalhadores farão com as contas até lá?”, declarou a presidente do sindicato, Gisele Vargas.

O Sinpaaet divulgou ainda uma nota em que justifica a ação na Justiça do Trabalho. “Estamos falando de uma crise institucional criada pela própria instituição e foi neste contexto que o Sinpaaet recorreu ao Judiciário, pois não encontrou mais compromisso por parte da Unisul em cumprir com direitos básicos dos trabalhadores”, diz um dos trechos do texto.

No outro pedido de liminar, o Sindicato dos Professores no Estado de Santa Catarina (Sinproesc) solicitou a penhora de R$ 10 milhões. A juíza da 12ª Vara da Justiça do Trabalho, Ana Letícia Moreira Rick, também acolheu o pedido apenas parcialmente e decidiu pelo bloqueio de R$ 3 milhões, “a fim de resguardar o pagamento em dia dos salários, depósitos de FGTS, gratificações natalinas, férias e contribuições previdenciárias”.


Decisões dificultam desafios, diz Unisul

A Unisul se manifestou por meio de nota oficial e afirmou que as decisões “agravam, substancialmente, as dificuldades para as soluções dos desafios econômico-financeiros”.

Mas ressaltou que universidade “está consciente da necessidade urgente de manter os salários dos seus colaboradores em dia”.

Ainda em nota, a instituição reiterou que não cumpriu com a integralidade dos salários por conta das dificuldades de caixa que vem enfrentando, e ressaltou que segue empenhada na busca de recursos alternativos para o saldamento dos salários e de todos os compromissos financeiros.
“Prosseguiremos, com responsabilidade e transparência, realizando medidas de economicidade e de produção que visam ao incremento de receitas e ao reestabelecimento da sustentabilidade institucional, sem comprometer a qualidade e o nosso compromisso comunitário”, diz um dos trechos do texto.
A reportagem do DS questionou a universidade se ela avaliava recursos para rever as decisões. Por meio da assessoria de imprensa, a Unisul manifestou que vai cumprir as determinações.


Busca por parcerias e economia

Em carta aberta enviada aos colaboradores na semana passada, o reitor da Unisul, Mauri Luiz Heerdt, afirmou que os dirigentes da universidade estão em busca de alternativas para solucionar a crise financeira que a instituição atravessa, inclusive em busca de parcerias para uma gestão compartilhada, mas rechaçou qualquer possibilidade de venda. “A Unisul não será vendida - inclusive porque nem é possível -, e nenhum grupo ainda foi escolhido. Estamos ainda em fase de diálogos”, escreveu o reitor.

O reitor também destacou a adoção de medidas de economicidade, desde o ano passado, com vistas ao equacionamento do fluxo de caixa da universidade.  “As medidas de economicidade permitiram uma redução aproximada de R$ 1 milhão mensal em gastos com pessoal e mais R$ 1,8 milhão mensal em gastos operacionais. Anualmente, isso representa mais de R$ 33 milhões em economia”, destacou Mauri.



Veja tudo sobre: crise da unisul, unisul, economia
 


OUTRAS NOTÍCIAS



GERAL

Jairo Cascaes será prefeito interino por 10 dias

23/05/2018, 06:00

SEGURANÇA

Homem é preso por porte ilegal de arma

23/05/2018, 06:00

GERAL

Médicas visitam o Abrigo dos Velhinhos

23/05/2018, 06:00

ESPORTES

Jogos da base terminam em confusão

23/05/2018, 06:00







MAIS LIDAS










Avenida Marcolino Martins Cabral, 1315, 6º piso Praça Shopping
Centro - Tubarão/SC - CEP 88701-105 - 48. 3631-5000
Todos os direitos reservados - JORNAL DIÁRIO DO SUL