MENU

NOTÍCIAS


TODAS | EDIÇÃO DE HOJE | DA REDAÇÃO | DIVERSÃO | ESPORTES | GERAL | POLÍTICA | SEGURANÇA

26/04/2018, 06:00

Filho de ex-reitor da Ufsc também é indiciado pela PF


 
redacao@diariodosul.com.br
Dê a sua opinião
Comentários ou sugestões
Envie esta
notícia por e-mail
 

Mikhail Vieira de Lorenzi Cancellier, filho do ex-reitor da Ufsc Luiz Carlos Cancellier de Olivo (que cometeu suicídio no ano passado após ter sido preso), foi indiciado pela Polícia Federal  junto a outras 22 pessoas após as investigações da Operação Ouvidos Moucos, deflagrada para desarticular uma suposta organização criminosa que desviou verbas de cursos de Educação a Distância (EaD) oferecidos pelo programa Universidade Aberta do Brasil (UAB), na Ufsc.

Entre os crimes apontados estão: concussão, peculato, lavagem de dinheiro, organização criminosa, violação de sigilo funcional, falsidade ideológica, além de outras tipificações. Os 23 são indiciados por crimes diferentes.

O indiciamento foi assinado pelo delegado Nelson Luiz Napp, no dia 18 de abril. No documento, a Polícia Federal explica que deve mandar para a Justiça os nomes e a lista de crimes. Além disso, informou que mais adiante enviará o relatório completo, com as razões do indiciamento.

A investigação, que completou sete meses, apontou que a verba destinada ao EaD foi desviada, inclusive para pessoas sem vínculo com a universidade, como parentes de professores e até um motorista. Entre 2006 e 2017 foram repassados R$ 80 milhões ao programa. Mas o valor desviado ainda é investigado.

De acordo com o relatório do inquérito, o filho do reitor foi indiciado porque “não soube explicar a origem de R$ 7.102 transferidos para sua conta por Gilberto Moritz, recursos que foram oriundos do projeto Especialização Gestão Organizacional e Administração em RH, que era coordenado por Luiz Carlos Cancellier de Olivo, que também ordenou a despesa do projeto”.

A advogada Nívea Maria Dondoerfer, que acompanhou o depoimento de Mikhail Cancellier, disse que está em contato com ele e afirma “que foi uma surpresa o indiciamento dele”. “Tenho a procuração dele nos autos, mas foi meio específica. Foi realmente uma surpresa, porque ele não havia nomeado ninguém. Agora, tive acesso, verifiquei a documentação juntada pela PF e preciso analisar, porque faltam maiores documentações”, afirma Nívea.



Veja tudo sobre: ufsc, pf
 


OUTRAS NOTÍCIAS



GERAL

Corrida abre Semana do Soldado em Tubarão

26/04/2018, 06:00

GERAL

Médicas visitam o Abrigo dos Velhinhos

26/04/2018, 06:00

GERAL

Jairo Cascaes será prefeito interino por 10 dias

26/04/2018, 06:00

SEGURANÇA

Botijão pega fogo

26/04/2018, 06:00







MAIS LIDAS










Avenida Marcolino Martins Cabral, 1315, 6º piso Praça Shopping
Centro - Tubarão/SC - CEP 88701-105 - 48. 3631-5000
Todos os direitos reservados - JORNAL DIÁRIO DO SUL