19/06/2019, 06:00

Meningite: Imbituba segue sem aulas até segunda


Os representantes da prefeitura de Imbituba estiveram reunidos na tarde desta terça-feira com os diretores das escolas municipais, estaduais e particulares. No encontro, realizado na Escola Básica Henrique Lage, no Centro, foram atualizados os casos de meningite registrados na cidade e debatida a retomada, ou não, das atividades escolares nesta quarta-feira.

Na reunião, ficou definido, ainda, que nas escolas municipais, estaduais e particulares de Imbituba as aulas só retornarão na próxima segunda-feira (24), após higienização completa nas instituições. Os Jogos Estudantis seguem suspensos.

Durante duas horas, o prefeito Rosenvaldo da Silva Júnior e a coordenadora da Vigilância Epidemiológica municipal, Susana Souto, tiraram dúvidas dos docentes e falaram sobre as medidas de higiene que precisam ser seguidas para evitar o surgimento de novos casos no município, tais como o uso do álcool para a higienização das mãos e a etiqueta da tosse.

“A gente não pode ser um difusor do pânico. Não temos um surto estabelecido, muito menos uma epidemia. Por mais que seja coincidência, o que nós temos são dois casos isolados. Temos um caso de meningite confirmado e outro onde a etiologia está sob investigação. Nós não temos a bactéria circulando pelo município, até porque a meningite se passa pelo contato com a secreção do paciente infectado”, disse o prefeito.

 

Segundo caso está sendo monitorado

Depois de confirmada a meningite meningocócica como a causa da morte da estudante Thaiane Gonçalves de Souza, de 12 anos, em Imbituba, uma segunda estudante, da mesma escola e também com 12 anos – amiga de Thaiane -, está internada no Hospital Regional de São José com suspeita da doença. O caso ainda está em investigação. A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC) informou que aguarda os resultados dos exames para confirmar ou descartar o caso.

A causa da  morte de Thaiane foi confirmada por meningococcemia, forma extremamente grave com disseminação da bactéria por todo o organismo e podendo levar rapidamente ao óbito.  Thaiane era de Imbituba, estava internada em Florianópolis, e veio a óbito no último domingo, dia 16.

O sorotipo da doença ainda está sendo realizado pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Santa Catarina (Lacen). A Dive aguarda esse resultado, que deve sair nesta quarta-feira.

De acordo com Helena Caetano Gonçalves e Silva, enfermeira da Vigilância Epidemiológica da Regional de Saúde, a situação está sob controle e toda as pessoas que tiveram contato direto com Thaiane foi medicada. A segunda menina com suspeita da doença está com quadro estável, sem gravidade, segundo a enfermeira.



Vacinação contra a doença

Sobre a correria desenfreada em busca de vacinação contra a meningite, tanto Helena quanto o prefeito de Imbituba, Rosenvaldo Júnior, que também é médico, fez um alerta. Parte das vacinas que existe no mercado para combater a doença não está no calendário do Ministério da Saúde. “Toda a vacinação é importante. Mas é importante que fique claro que, pelo calendário do Ministério da Saúde, o município não tem acesso a boa parte das vacinas, assim como o Estado e o Ministério da Saúde. O que nós temos, hoje, são vacinas comercializadas na rede particular. E, ainda que a pessoa seja vacinada, não terá a certeza que estará imunizada, já que não sabemos quais são os subtipos das meningites que acometeram as pacientes de nossa cidade. Além disso, a imunização leva mais de duas semanas para garantir a prevenção”, informou o prefeito.

“Precisamos primeiro saber qual o sorotipo da doença antes de procurar a imunização. De nada adiantará vacinar contra um tipo e o que está circulando ser outro tipo. Por isso, pedimos que as pessoas esperem antes de procurar vacina nas redes particulares e públicas, até que se saiba ao certo qual será necessária”, reforça Helena.



Veja tudo sobre: meningite, imbituba, saúde, aulas