28/09/2015, 06:00

Cooperativas de energia da região têm reajuste


Passam a vigorar hoje os reajustes tarifários de cooperativas em Santa Catarina, que foram aprovados pela Aneel este mês.

O aumento dos encargos setoriais e dos custos com a compra de energia foram os itens que mais impactaram os valores da energia e basearam o aumento das cooperativas. A Aneel considera, para calcular os reajustes, a variação de custos que a empresa teve no decorrer do período de referência.
Na região, a Coorsel terá efeito médio de reajuste de 24,85%; a Cergral, de 23,49%; a Cerbranorte, de 19,06%; a Cergal, de 25,40% e a Cergapa, de 25,33%.
A Cerbranorte é uma das duas únicas cooperativas que tiveram o percentual de reajuste menor do que 20%. “Esse índice baixo, em comparação com as outras cooperativas, se deve aos bons investimentos que temos feito, como a construção e a ampliação das redes de alta e baixa tensão, a construção da subestação, onde foram investidos mais de 13 milhões, além do empenho da nossa equipe de colaboradores, que sempre buscam soluções mais viáveis para atender os consumidores”, destaca o presidente, Antônio José da Silva, o Toninho.
O reajuste é um dos mecanismos de atualização do valor da energia paga pelo consumidor. De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), tem como objetivo manter o equilíbrio financeiro da permissionária, de modo que ela possa arcar com suas responsabilidades perante o consumidor.
Ao calcular os índices de reajuste, a Aneel considera a variação de custos que a empresa teve no decorrer do período de referência. A fórmula do cálculo inclui custos típicos da atividade de distribuição e outros, como energia comprada de geradores, encargos de transmissão e encargos setoriais. A aplicação do reajuste anual e da revisão tarifária está prevista nos contratos de permissão assinados entre as cooperativas e o governo federal, por meio da Aneel.



Veja tudo sobre: eletricidade, energia, conta de luz, luz