MENU

COLUNISTAS


Esporte

CARLOS AUGUSTO SALVADOR




 
 

Terça-feira, 09/04/2019, às 00:00

Não é hora de achar culpados

Ao torcedor hercilista, é hora de apenas abaixar a cabeça, mastigar o descenso, aceitar provocações e olhar para a frente. Não adianta apontar erros, encontrar culpados e achar que “se a bola tivesse entrado” tudo estaria diferente. O campeonato do Hercílio era esse, de brigar até o fim para se manter, e brigou, mas caiu. É necessário planejar e, principalmente, trabalhar o futuro, pois o limbo de 2020 pode ser amenizado ainda pelos resultados deste ano, mas é necessária uma ação profissional, tanto em gestão como em elenco, e, principalmente, no que tange a resultados.

O restante do ano
Em maio começa a Série D do Brasileirão, e a expectativa precisa ser jogar com dignidade. É possível passar de fase? É, sim. Tupi caiu no Campeonato Mineiro; Itaboraí não joga a elite no Rio; e o Novorizontino desmanchou todo o bom time do Estadual. Está todo mundo no mesmo nível, mas a Série D exige mais. Exige time cascudo, operário e brigador. Caso o clube não consiga o acesso à Série C, em 2020 o ano começa só em junho, com a divisão de acesso no Estadual. E se não tiver Copa Santa Catarina nesse ano, as portas do estádio, que já não são mais do Hercílio, ficarão fechadas por, pelo menos, um ano.

O reflexo da má campanha
Tanto Hercílio quanto Tubarão, com campanhas horríveis, comprometeram seus projetos, muito por causa de imediatismo. Para que ambos tenham um calendário decente no ano que vem, é fundamental um acesso à Série C. Isto porque as três vagas catarinenses para a Série D 2020 foram preenchidas por Marcílio Dias, Brusque e Joinville. Caso nenhum dos dois times da cidade consiga o acesso, resta ao Tubarão torcer pelo acesso de um catarinense. Ao Hercílio, restaria o improvável acesso dos outros três catarinenses na edição desse ano.

Comemorar mesmo?

A festa ao final da partida em Joinville é válida. Jogadores, torcedores, comissão técnica e diretoria comemoraram muito a permanência. E não é para menos: o Peixe figurou no Z2 o campeonato todo, saindo apenas na última rodada. Mas tal comemoração é digna do tamanho do projeto do clube, quando começou o campeonato? Com certeza, não. O Tubarão investiu pesado para conquistar uma das quatro vagas às semifinais do Estadual, e nem sequer esteve perto disso. Planejamento errado, trocas de treinador, dispensa de jogadores, tudo como manda o manual para cair, e só não caiu por incompetência dos adversários. Agora, é hora de reavaliar o trabalho como um todo, pois até duas rodadas atrás ‘ninguém prestava’, e diretores discutiam com torcedores rodeados de segurança.

Olhar para frente
O Tubarão tem um mês para se planejar para a Série D, e mudanças são necessárias se não quiser ficar pelo caminho novamente. Boa parte do elenco não serve para o clube. É necessário buscar jogadores com rodagem em divisões inferiores no Brasil. Não adianta trazer jogador com nome e marketing, porque esse não ganha jogo, esse não dá acesso. A notícia que o torcedor quer em setembro é o “acesso do Peixe”, e não “astro nacional se aposenta em Tubarão”.




OUTRAS COLUNAS









MAIS LIDAS










Avenida Marcolino Martins Cabral, 1315, 6º piso Praça Shopping
Centro - Tubarão/SC - CEP 88701-105 - 48. 3631-5000
Todos os direitos reservados - JORNAL DIÁRIO DO SUL