MENU

COLUNISTAS


Geral

ARILTON BARREIROS




 
 

Sábado, 07/04/2018, às 06:00

Não é o primeiro

A prisão do ex-presidente Lula é dada por alguns como algo inédito no Brasil. Não é. Cinco presidentes brasileiros foram presos em circunstâncias distintas, dois deles durante o exercício do mandato. O marechal Hermes da Fonseca (governou de 1910 a 1914) foi o primeiro. Aconteceu num 2 de julho chuvoso, em 1922. O segundo presidente preso foi Washington Luiz, que exercia o mandato entre 1926 a 1930. Foi preso em 24 de outubro de 1930. Soldados rebeldes prenderam Artur Bernardes (1922-1916) no meio de um canavial, em Viçosa, próximo de sua fazenda em 23 de setembro de 1932. As outras duas prisões ocorreram durante o regime militar implantado em 1964. Presidente durante sete meses em 1961, Jânio Quadros foi mantido por quatro meses em confinamento em Corumbá, em julho de 1968, e em 13 de dezembro de 1968, na noite da decretação do AI-5, Jucelino Kubitschek, presidente de 1956 a 1961, foi preso ao sair do Teatro Nacional do Rio. Nenhum deles tinha condenação judicial. As razões das prisões estão na história do Brasil.

Entrelinhas

Foi assinado pelo prefeito de São Ludgero, Volnei Webber, que sexta-feira renunciou ao cargo, o termo de repasse que resultará na destinação de R$ 110 mil em recursos para a Rede Feminina de Combate ao Câncer. Segundo a presidente Tânia Füchter, o recurso será utilizado para auxiliar na manutenção das atividades desenvolvidas pela rede.

Advogado Murilo Tadeu Medeiros nem bem curtiu a comemoração de ter sido agraciado com o título de cidadão tubaronense, concedido pelo vereador Carlos Zamparetti, e recebeu a informação que seu primo irmão, o escritor Emanuel Medeiros Vieira, nascido em Florianópolis e residente em Salvador, foi indicado para o Prêmio Nobel de Literatura pela International Writers And Artistis Association, sediada em Ohio, nos Estados Unidos.

Termina neste sábado o prazo de desincompatibilização para quem tem a intenção de concorrer às eleições de 2018 e ocupa algum cargo ou função pública, entre as quais auditor fiscal, magistrado, membro do Ministério Público, prefeito, reitor, servidor da Receita Federal e servidor da Fazenda Estadual.

A obra “Nuances” da fotógrafa Maristela Giassi, que retrata a silhueta da mulher mais bonita do país, a Miss Brasil Monalysa Alcântara, ganhou joias com pedras cravejadas pela ourivessaria artesanal da Alcidino Joalheria. Com o retrato de uma das dez mulheres mais belas do universo, a ousada fotógrafa leva as cores, a alma e a beleza do nosso país para Dubai. Eliane Fernandes, que está em férias em Portugal, recebeu a notícia com muita alegria.

Faleceu sexta-feira, aos 77 anos, o comentarista esportivo Millioli Neto. O jornalismo esportivo de Criciúma e de Santa Catarina perde um grande profissional. Tivemos o prazer de trabalhar com Millioli na extinta TV Eldorado, hoje NSC. Ele estava fora dos microfones desde o ano passado, quando passou por uma cirurgia do coração e estava internado devido ao agravamento da doença esclerose lateral amiotrófica. Está sendo velado no crematório de Içara.




OUTRAS COLUNAS









MAIS LIDAS










Avenida Marcolino Martins Cabral, 1315, 6º piso Praça Shopping
Centro - Tubarão/SC - CEP 88701-105 - 48. 3631-5000
Todos os direitos reservados - JORNAL DIÁRIO DO SUL