MENU

COLUNISTAS


Política

RAFAEL MATOS




 
 

Segunda-feira, 05/11/2018, às 06:00

Carta

Na coluna de hoje, peço licença para publicar a tradução que fiz do texto de um jornalista e escritor uruguaio que na última semana se despediu das salas de aula. Leonardo Haberkorn renunciou à proposta de continuar dando aulas no curso de Comunicação na Universidade ORT, em Montevidéu, por meio desta carta, que moveu o mundo da educação. O texto original foi publicado no site www.enlacejudio.com.


“Eu cansei... me rendo

Depois de muitos, muitos anos, hoje eu lecionei na Universidade pela última vez. Eu me cansei de lutar contra celulares, contra o WhatsApp e o Facebook. Eles me bateram. Me rendo. Eu jogo a toalha. Eu me cansei de falar sobre coisas que eu amo com caras que não podem tirar a visão de um telefone que nunca deixa de receber selfies.

Claro, é verdade, nem todo mundo é assim. Mas cada vez mais eles são mais. Até três ou quatro anos atrás, o pedido de deixar o telefone de lado por 90 minutos, mesmo que apenas para evitar ser rude, ainda tinha algum efeito.

Hoje, não mais. Pode ser eu. Pode ser que eu tenha me desgastado nesse combate. Ou que esteja fazendo algo errado.

Mas há algo verdadeiro: muitos desses caras não estão cientes de quão ofensivos e irritantes eles são. Além disso, é cada vez mais difícil explicar como o jornalismo funciona diante de pessoas que não consomem ou têm a sensação de estarem sendo informadas.

Esta semana, na aula, o tema Venezuela saiu. Apenas um estudante em 20 poderia dizer o básico do conflito. O muito básico. O resto não teve a menor ideia. Perguntei-lhes se sabiam quem era o uruguaio que estava no meio daquela tempestade. Obviamente, nenhum deles sabia.

Eu perguntei se eles sabiam quem é Almagro. Silêncio. Do fundo da sala, uma garota solitária gaguejou: não era o chanceler? Assim, com tudo. O que está acontecendo na Síria? Silêncio.

Qual partido é mais liberal, ou é mais para ‘à esquerda’ nos Estados Unidos, os Democratas ou os Republicanos? Silêncio. Você sabe quem é Vargas Llosa?

“Sim!”

Alguém leu algum de seus livros? Não, ninguém. Lamento que os jovens não podem deixar o celular, nem mesmo na aula. Conectar pessoas tão desinformadas com o jornalismo é complicado.

É como ensinar botânica a alguém que vem de um planeta onde os vegetais não existem. Em um exercício em que tiveram que sair para procurar uma notícia na rua, um aluno retornou com a notícia de que jornais e revistas ainda são vendidos nas ruas.

Chega um momento em que ser um jornalista joga contra você. Porque um é treinado para se colocar no lugar do outro, cultiva a empatia como uma ferramenta básica de trabalho.

E, então, você vê que esses caras que ainda têm a inteligência, a simpatia e o calor comum os enganaram, que a culpa não é apenas deles. Que a ignorância, o desinteresse e a alienação não nasceram sozinhas.

Eles foram mortos pela curiosidade e que, com cada professor que parou de corrigir erros ortográficos, eles aprenderam que tudo dá mais ou menos o mesmo.

Então, quando você entende que eles também são vítimas, quase sem perceber, eles baixam a guarda.

E o ruim acaba sendo aprovado como medíocre; o medíocre passa como bom; e o bom, nas poucas vezes em que chega, é celebrado como se fosse brilhante. Eu não quero fazer parte desse círculo perverso. Eu nunca fui assim e não serei.

O que eu faço, sempre gostei de fazer bem. O melhor possível. E não suporto o desinteresse em todas as perguntas que faço e respondem com silêncio. Silêncio. Silêncio. Silêncio.

Eles queriam que a aula terminasse. Eu também”.




OUTRAS COLUNAS









MAIS LIDAS










Avenida Marcolino Martins Cabral, 1315, 6º piso Praça Shopping
Centro - Tubarão/SC - CEP 88701-105 - 48. 3631-5000
Todos os direitos reservados - JORNAL DIÁRIO DO SUL