MENU

COLUNISTAS


Geral

IVANA ANSELMO SOUZA




 
 

Quinta-feira, 11/07/2019, às 06:00

Atendimento ruim

Há algum tempo, eu e uma amiga estávamos decididas a treinar em uma determinada academia. Fomos até o local. A ideia era conhecer o ambiente, ver horários, as atividades, entre outros detalhes. Chegando lá, cheias de expectativas, fomos surpreendidas com um péssimo atendimento. A recepcionista mal nos olhou. Quando expressamos nossa vontade de saber sobre o funcionamento da academia, ela rapidamente nos informou dos horários e o valor, depois abaixou a cabeça e voltou a mexer no computador. Ficamos ali, paradas, olhando uma para outra. Saímos de lá frustradas e, lógico, não nos matriculamos.

Fomos embora conversando sobre o ocorrido, até porque realmente queríamos nos matricular. E se a recepcionista tivesse “investido” cinco minutos de seu tempo conosco, teria conseguido duas matrículas no ato.

Depois disso, fiquei pensando que provavelmente o proprietário ou gestor do estabelecimento não sabe que isso acontece. Que esse episódio do mau atendimento aos clientes deve ocorrer com frequência na sua academia, como em tantos outros estabelecimentos que conheço.

Não culpo a recepcionista, talvez ela não tenha clareza do seu papel. De repente, não foi treinada e orientada sobre a melhor forma de atendimento. Talvez nunca tenha recebido uma avaliação honesta do seu trabalho, ou não seja estimulada. Por isso, o gestor do negócio precisa estar atento também à gestão das pessoas e não só à gestão dos processos.

Percebo que os gestores, no geral, estão tão preocupados em estratégias para conseguir mais clientes, faturar mais, ampliar o negócio, que nem prestam atenção nos colaboradores. Não imaginam que podem estar mantendo um funcionário que contribua para o fracasso da empresa.

Os colaboradores precisam ser constantemente treinados, instruídos, avaliados. E para quem pensa que isso é coisa de RH, está enganado. Mesmo uma empresa que não possua um setor de RH precisa investir em gestão de pessoas. Isto faz toda a diferença.

Canso de ver empresas que investem muito dinheiro em propaganda, em móveis bonitos, espaços físicos de dar inveja, contudo, não investem em seu mais importante capital: o ser humano. Quando recebem uma proposta de treinamento, acham caro. Alguns me perguntam: “Mas e se eu oferecer treinamento e este funcionário não permanecer na empresa?”. Aí eu devolvo: “E se você não treinar e ele ficar?”.




OUTRAS COLUNAS









MAIS LIDAS










Avenida Marcolino Martins Cabral, 1315, 6º piso Praça Shopping
Centro - Tubarão/SC - CEP 88701-105 - 48. 3631-5000
Todos os direitos reservados - JORNAL DIÁRIO DO SUL